O Uso do VéuImprimir
Conduta Cristã (Parte III)
I – INTRODUÇÃO

A questão do uso do véu pelas mulheres cristãs nas reuniões de oração e nos cultos de adoração e louvor a Deus tem suscitado as mais diversas interpretações por parte de muitos estudiosos da Palavra de Deus. Este assunto, apresentado pelo apóstolo Paulo em I Coríntios 11:1-16, não pode ser ignorado, pois o mesmo faz parte das muitas instruções de Deus no Novo Testamento. Todo o contexto deve ser analisado, isento de quaisquer idéias preconcebidas.

Entendemos que as recomendações dadas pelo apóstolo Paulo, de acordo com o contexto da primeira epístola aos coríntios, foram dirigidas não só à igreja de Corinto, mas a “todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo...” I Coríntios 1:2.

Na mesma epístola o apóstolo Paulo foi claro ao dizer que “se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor.” I Coríntios 14:37.

Na carta dirigida aos gálatas ele afirmou o seguinte:

“Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens. Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo.” Gálatas 1:11 e 12.

Estas informações são muito valiosas e indispensáveis, pois elas dão credibilidade aos escritos do apóstolo Paulo. Por esta razão é muito seguro afirmar que o verdadeiro povo de Deus deve fundamentar sua fé nos ensinos “dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina.” Efésios 2:20.

Sobre o assunto do véu há interpretações que divergem entre si e estas discordâncias giram em torno de questões sobre as quais o texto sob análise apresenta definições muito claras.

Da forma como os argumentos do apóstolo Paulo estão dispostos no texto bíblico (I Coríntios 11:1-16), não há como imaginar que ele tivesse redigido uma carta orientando a respeito do uso obrigatório do véu, e depois concluir que nada disso tem valor ou nada disso é preciso.

Para se chegar a um entendimento sobre este assunto é preciso estar descompromissado com quaisquer placas denominacionais e considerar a Palavra de Deus como única regra de fé. Igualmente é preciso compreender qual é a atitude correta que o homem e a mulher devem adotar quando entrarem em comunhão direta com Deus.


II – UMA QUESTÃO DE HIERARQUIA

“Mas quero que saibais que Cristo é a cabeça de todo o varão, e o varão a cabeça da mulher; e Deus a cabeça de Cristo.” I Coríntios 11:3.

A mesma orientação encontra-se em Efésios 5:23: “Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja: sendo Ele próprio o salvador do corpo.”

Esta hierarquia de responsabilidade em questões espirituais deve ser entendida dentro do contexto em que esta passagem bíblica está inserida. O fato de o homem ser a cabeça da mulher não significa que ele está autorizado a agir como um ditador, um déspota ou tirano. A responsabilidade do homem é proteger, amar e honrar a mulher, tendo em vista a sua natureza frágil. O exercício da liderança, quando é de origem divina, sempre é colocado diante de nós baseado no amor, ternura, lealdade, compreensão e orientação. O apóstolo Paulo afirmou que “assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres o sejam em tudo a seus maridos. Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela.” Efésios 5:25.

Também o apóstolo Pedro em sua primeira epístola fez a seguinte recomendação:

“Igualmente vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações.” I Pedro 3:7.

A questão de o homem ser a cabeça da mulher tem sua origem e está estreitamente ligada com a narrativa da criação:

“Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea. ...Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre o homem, e este adormeceu; tomou-lhe, então, uma das costelas, e fechou a carne em seu lugar; e da costela que o Senhor Deus lhe tomara, formou a mulher e a trouxe ao homem. Então disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada. Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne.” Gênesis 2:18, 21-24.

Foi com base nesta narrativa é que o apóstolo Paulo iniciou a sua argumentação sobre a questão do uso do véu por parte das mulheres. Em seguida ele escreveu:

“Porque o homem não proveio da mulher, mas a mulher do homem; nem foi o homem criado por causa da mulher, mas sim, a mulher por causa do homem. Portanto, a mulher deve trazer sobre a cabeça um sinal de poderio, por causa dos anjos. Todavia, no Senhor, nem a mulher é independente do homem, nem o homem é independente da mulher; pois, assim como a mulher veio do homem, assim também o homem nasce da mulher, mas tudo vem de Deus.” I Coríntios 11:8-12.

Esta é uma prova inconteste de que a mulher não está sendo rebaixada por usar o véu, uma vez que “a mulher é a glória do homem.”(I Coríntios 11:7). Ao cobrir-se com o véu nas reuniões de oração e adoração a Deus, a mulher assume uma postura de igualdade com o varão, para poder orar ou profetizar (I Coríntios 11:4 e 5).


III – O VÉU E O CABELO COMPRIDO

Muitos relutam em aceitar as recomendações do apóstolo Paulo quanto ao uso do véu por parte das mulheres durante as reuniões de adoração a Deus. Em seus argumentos, como defesa, eles apresentam o texto de I Coríntios 11:15: “Mas se a mulher tiver o cabelo comprido, é para ela uma glória? Pois o cabelo lhe foi dada em lugar de véu.”

Os que apóiam este argumento cometem um equívoco dos mais grotescos, colocando o apóstolo Paulo em contradição consigo mesmo, levando-se em conta à seguinte orientação dada por ele anteriormente:

“Portanto, se a mulher não se cobre com véu, tosquie-se também; se, porém, para a mulher é vergonhoso ser tosquiada ou rapada, cubra-se com véu. ...Portanto, a mulher deve trazer sobre a cabeça um sinal de autoridade, por causa dos anjos.” I Coríntios 11:6 e 10.

Não faria sentido algum o apóstolo Paulo dizer quase em toda a sua explanação que as mulheres cristãs devem usar o véu e no final dispensá-las de seu uso. É totalmente incoerente afirmar que o cabelo comprido do verso 15 substitui o véu do verso 6. Acontece que os vernáculos usados no original grego para essas vestimentas não são os mesmos, ou seja, no verso 15 o vernáculo grego usado é “PERIBOLAION” e tem o significado de mantilha, uma vestimenta feminina mais pesada, usada em lugares públicos, que cobria não só a cabeça, mas também os ombros e o dorso, enquanto que no verso 6 o vernáculo grego usado é “KATAKALUPTÔ” e tem o significado de véu, um tecido leve que servia para cobrir apenas a cabeça, usado em ocasiões especiais, nas reuniões de oração e adoração a Deus. Portanto, o apóstolo Paulo está falando de duas vestimentas diferentes, com fins diferentes.

Assim, a vestimenta que o apóstolo Paulo disse que seria substituída pelos cabelos compridos, conforme I Coríntios 11:15, seria a MANTILHA, que fazia parte da vestimenta feminina usada em lugares públicos e não o véu como muitas instituições erroneamente ensinam. Acontece que a situação apresentada no verso 6 é completamente diferente e inversa. Caso a mulher resolvesse não usar o véu, devia tosquiar ou rapar o seu cabelo. Mas se para ela era vergonhoso ser tosquiada ou rapada, deveria cobrir-se com o véu.

Depois de elucidar bem o assunto, Paulo fez a seguinte pergunta: “Julgai entre vós mesmos: é conveniente que uma mulher com a cabeça descoberta ore a Deus?” I Coríntios 11:13. Tomando-se como base os argumentos por ele apresentados anteriormente, a resposta logicamente é: NÃO.


IV – O ARGUMENTO CULTURAL

Predomina atualmente o argumento de que o uso do véu tem a ver com a cultura da época. Este argumento é fruto da equivocada interpretação que se faz da Palavra de Deus.

O uso do véu para orar não é uma questão cultural. A obediência e a sujeição da humanidade a Deus e ao Seu Filho Jesus Cristo não é resultado de um costume regional. A hierarquia determinada em I Coríntios 11:3 nada tem a ver com a cultura da época, mas trata-se de uma ordem universal da parte de Deus:

“Quero, porém, que saibais que Cristo é a cabeça de todo homem, o homem a cabeça da mulher, e Deus a cabeça de Cristo.”

Da mesma forma, quando o apóstolo Paulo diz que o homem não deve cobrir a cabeça para orar porque é a imagem e glória de Deus, e que a mulher deve cobrir-se para orar porque ela é a glória do homem (I Coríntios 11:7), não está dando a entender tratar-se de uma questão cultural.

Entendemos que todos estes aspectos são de índole universal e transcendem a todos os tempos, culturas e raças. Tornando-se válida a ordem hierárquica encontrada em I Coríntios 11:3, então é necessário validar o uso do véu para orar como inerente da mensagem evangélica para a humanidade de todos os tempos.


IV - CONCLUSÃO

Corinto era considerada um dos pólos comerciais do sul da Grécia. Durante a sua permanência de um ano e meio nesta cidade, aproximadamente em 50-51 d.C., o apóstolo Paulo reuniu uma congregação formada de judeus e gentios. Esta era a mais problemática de todas as demais congregações, pois ela estava seriamente comprometida com:

a) carnalidade (ICoríntios 3:1; 5:1-3);
b) imaturidade e infantilidade (I Coríntios 3:1 e 2);
c) Ciúmes, contendas e divisões (I Coríntios 1:11-13; 3:3 e 4);
d) Demandas judiciais na justiça comum (I Coríntios 6:1-8);
e) Incontinência e desregramento na Ceia do Senhor (I Coríntios 11:17-22);
f) Pecado de incesto ( I Coríntios 5:1).

Sem sombra de dúvidas, a situação da Igreja de Corinto contrastava com a pureza e profunda espiritualidade vivida pelas demais congregações. Mas, por que o assunto sobre o uso do véu não foi tratado pelo apóstolo Paulo em outras epístolas? A explicação é simples: a polêmica sobre esse assunto ocorreu somente na igreja de Corinto.

Ao concluir suas recomendações sobre o assunto, o apóstolo Paulo deixou claro que não é costume das igrejas de Deus contender sobre as ordenanças de Deus:

“Mas, se alguém quiser ser contencioso, nós não temos tal costume, nem tampouco as igrejas de Deus.” I Coríntios 11:16.






E-Folheto (Folheto eletrônico)
Entregue um folheto deste estudo bíblico pela internet através do e-mail.
É fácil, basta informar o e-mail no campo abaixo e clicar em enviar.
Remetente:
Nome*:
E-mail:
Destinátario:
Nome:
E-mail*:
(*)Preenchimento obrigatório

Fale conosco:
Nome:
Cidade/UF:
E-mail: (Seu e-mail não será divulgado)
Pergunta ou Comentário:
Deseja publicar sua pergunta ou comentário?
 
E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim. (Mat 24:14)
contato@verdadeemfoco.com.br